segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Paixão de Costa pela Educação deu forte mas passou depressa

RR 14-9-2016Jornal I 31-10-2016
"Do anunciado aumento orçamental, há 15 dias, de 3,1% na Educação  temos afinal, um corte de 2,7%.

Ou seja, o governo havia ocultado informação para anunciar um aumento quando, na realidade, a informação disponível sugeria um corte orçamental na Educação. Uma ocultação inédita, assinale-se, pois nenhum governo o havia feito antes em anos e anos de apresentações de Orçamentos de Estado.

A ocultação dos dados foi uma opção política, pelo que a sua exposição introduzirá consequências políticas. Nomeadamente para PCP e BE, partidos que desde sempre nos habituaram a ser a voz mais crítica contra cortes orçamentais na Educação enquanto ataques à “escola pública”. Ou para a Fenprof, que assinalou como positivo neste OE2017 a reversão do “longo ciclo de cortes” – quando, afinal, estes se mantêm. Os parceiros do governo estão, agora, perante uma tarefa duplamente ingrata: defender um corte de 2,7% no orçamento da Educação (quando sempre defenderam aumentos) e justificar o porquê deste volume orçamental total (6023 milhões de euros) ser suficiente para a defesa da “escola pública” quando, em 2013, um volume de financiamento idêntico (6064 milhões de euros) representou um ataque à “escola pública”. Reconheça-se que não será fácil." (Alexandre Homem Cristo, Observador, 31-10-2016).

A este corte de 170 milhões no orçamento do Ministério da Educação à que acrescentar mais um corte de 281 milhões de euros referentes a despesas com pessoal da educação, o que no total representa um corte na educação, relativamente a 2016, de 451 milhões de euros. Compreende-se agora porque é que o mágico Mário Centeno, não queria mostrar os quadros exigidos pelo PSD e pela UTAU. É que realmente estão a perturbar e muito o embuste da proposta inicial do Orçamento de Estado para 2017, pois não só têm utilidade, como irão beneficiar em muito o debate, ao contrário do que a geringonça se esforçou por afirmar.

Lembram-se quando António Costa prometia, em 2015, o reacender da paixão pela educação:

RTP 9-5-2015 / JN 18-9-2015
E que logo passado uns dias teve resposta de Jerónimo de Sousa, premeditando o que agora está a acontecer:

TSF 22-9-2015
Fico à espera da indignação e das jornadas de luta em defesa da escola pública e dos professores, por parte do camarada Mário Nogueira.

domingo, 30 de outubro de 2016

Retrato de um projeto falhado

A realidade prova que a palavra dada não está a se a ser honrada. Com prejuízo no dia-a-dia dos portugueses.

Os números e a realidade provam que o modelo económico e social que a esquerda vendeu aos portugueses falhou:
- Não traz mais e melhor
emprego;

- Não acrescenta qualidade de vida aos portugueses;

- Fragiliza a vida dos portugueses e fragiliza o País.

Quase um ano depois, é este o retrato da aliança das esquerdas.

video

Aqui é possível ver os compromissos públicos do atual Primeiro-Ministro confrontados com a realidade retratada por vários órgãos de comunicação social. 

Das promessas socialistas – não contestadas mas apoiadas pela maioria parlamentar – à nova realidade dos portugueses distam quase dez meses do atual governo. Um tempo que de “novo” pouco revelou. Trouxe um regresso ao passado de velhos hábitos e maus resultados ou até mesmo a estagnação do presente. Das aspirações dos portugueses. Dos sonhos de várias gerações. Recuperou modelos que já provaram resultar em sacrifícios que retiraram o horizonte de maior felicidade a que todos ambicionamos.

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Transportes públicos socialistas de Lisboa

Aeroporto Lisboa, 28-10-2016 de manhã - 2 enormes filas de turistas a comprar bilhetes para os transportes públicos de Lisboa                              (Foto Luis Newton/FB)
Metropolitano de  Lisboa, 27-10-2016 (Foto Diogo Moura/FB)
video
Estação de Metro do Aeroporto, 16-9-2016 às 10h da manhã - Fila de turistas para comprarem bilhetes para o Metropolitano. Todas as máquinas avariadas e apenas 1 funcionário para informações e venda de bilhetes. Resultado: fila de espera superior a 1 hora (fonte FB)
Este artigo do jornal I Lisboa está o caos. Chegamos a casa sem vontade de fazer nada- resume bem a situação que se vive em Lisboa, nuns transportes públicos geridos por socialistas e apoiados por uma geringonça, cujos sindicatos da Inter e as comissões de utentes (satélites do PC), outrora tão activos, protestantes e em permanentes greves por melhores transportes públicos, agora nem se ouvem. A quanto obriga a disciplina partidária e o apoio a um governo que até apresenta orçamentos de estados que não são de esquerda.

"Qualquer português reconhece na actual solução de governo o envolvimento do PCP e respectivas consequências a nível sindical, com uma diminuição acentuadíssima da conflitualidade social, que antes era intensamente produzida por sindicatos da CGTP, sobretudo na educação e nos transportes.

Veja-se o Metro de Lisboa: nunca havíamos assistido a uma queda tão acentuada na qualidade do serviço e não há uma greve para amostra. Isto demonstra que o sindicalismo português é pura encenação. Já toda a gente sabia que a CGTP era menos uma agremiação de sindicatos do que um braço político do PCP, mas agora está demonstrado para além de qualquer dúvida razoável.

Quando o governo voltar a ser de direita e os sindicatos voltarem a sair à rua, iremos todos lembrar-nos da sabática do senhor Mário Nogueira, o homem que no seu monopólio sindical nunca vai à 5 de Outubro sem passar primeiro pela Soeiro Pereira Gomes". João Miguel Tavares, Público, 20-10-2016

terça-feira, 25 de outubro de 2016

O que esconde António Costa

Expresso 24-10-2016
Com o argumento descabido e de quem tem algo a esconder dos portugueses,  de que os dados solicitados "não têm utilidade e podem prejudicar o debate", o governo recusa-se a entregar dados da "execução orçamental estimada para o final de 2016 em contabilidade pública e desagregada", que "mostram o ponto de partida para o Orçamento de 2017".

Podem prejudicar o debate??? De que forma, porquê e para quem? Só se for para a geringonça, por mostrarem já neste momento, uma realidade económica para 2016 diferente daquela que o governo tem tentado passar.


António Costa trouxe para o governo os velhos hábitos da CML, quando mesmo após deliberações dos tribunais, teimou em não tornar público, relatório sobre as obras na cidade. Não restam dúvidas que estes socialistas se dão muito mal com a transparência.

RTP 10-7-2013

domingo, 23 de outubro de 2016

Para António Costa, a palavra deixou de ser para honrar



A Lei 159-D/2015 em vigor e aprovada pela geringonça em 18-12-2015, é clara na forma como determina o fim da sobretaxa a partir de dia 1 de Janeiro do próximo ano. Já não são só as promessas eleitorais que não conseguem cumprir, são as próprias Leis que criaram que não cumprem. E fazem-no não a pensarem no país, mas apenas no calendário eleitoral, pois caso contrário diriam ao país, que independentemente da altura em que deixar de ser aplicada, terá efeito sobre todo o rendimento de 2017.

E o pagamento aos pensionistas e funcionários públicos do Subsidio de Natal por inteiro em novembro? Outra promessa que não vai ser cumprida, pelo segundo ano consecutivo.

Quanto à "Palavra dada tem que ser palavra honrada", estamos cada vez mais esclarecidos!

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Medina, o imperador

video
Produzido a partir do vídeo original, este vídeo de estudante Erasmus em Lisboa, faz furor nas redes sociais e serve de base para criticar a megalomania de Fernando Medina.

Sem deixar de realçar também o que de bom temos para oferecer, aos que querem vir para Lisboa investir, estudar ou simplesmente morar, o vídeo mostra-nos o enorme estaleiro de obras em que a cidade está transformada. Obras sem planeamento, de consequências imprevisíveis, apenas a pensar no calendário eleitoral.

Assim vais Lisboa...Mal !!!

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

De quem têm medo Fernando Medina e o PS

VERGONHA!

Ontem na Assembleia Municipal de Lisboa foi rejeitada, pelo Partido Socialista, uma proposta de criação de uma "Comissão eventual sobre o procedimento de contratação da empreitada de requalificação da Segunda Circular".

A proposta foi apresentada pelo BE, e que o PSD apoiou, pretendia dar a maior transparência possível neste processo. No entanto o receio, por parte do PS e de Medina, de que se investigue a fundo as causas da abrupta pausa do procedimento concursal das obras é evidente.

Fernando Medina e o PS não querem que se saiba mais nada sobre este assunto o que revela insegurança, pois se nada houvesse de menos claro porque chumbariam a criação desta comissão? Já diz o ditado popular "Onde há fumo há fogo".

Assim vais Lisboa...Mal !!!

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Onde andam as promessas dos 12 mágicos de Abril do ano passado

As promessas dos 12 mágicos do PS apresentadas em Abril do ano passado têm vindo a desaparecer e o "OE 2017 enterra de vez as expectativas criadas durante a campanha para as legislativas quanto a um cenário mais rosa de crescimento da economia portuguesa".

Se não vejamos: 

A previsão era que "o produto interno bruto pudesse acelerar 2,4% em 2016 e 3,1% em 2017. Segundo o OE 2017, a economia só vai crescer 1,2% em este ano e 1,5% no próximo". E é importante não nos esquecermos que em 2015, com o governo PSD/CDS a economia cresceu 1,6%!





E por fim uma das principais bandeiras de campanha do PS, também se está a desvanecer. A previsão de crescimento do emprego era de "1,4% em 2016 e 1,9% em 2017. Mas o OE 2017 só conta agora que o emprego suba 0,8% este ano e 1% no próximo".

Palavra dada, palavra honrada!

domingo, 16 de outubro de 2016

Em Lisboa cada bicicleta vai custar mais de 16.000,00€

10 anos depois de anunciado o Sistema Público de Bicicletas Partilhadas de Lisboa foi finalmente adjudicado: 8 anos, 1.400 bicicletas e 140 estações, por 23 milhões de euro. Como dizia o outro "é só fazer as contas", mais de 16.000,00€ por bicicleta.

Com receitas previstas pela EMEL de apenas 1,3 milhões de euro por ano (900 mil de tarifário e 400 mil de publicidade), seremos nós todos a pagar para apenas 3000 utilizadores regulares utilizarem.

Os nossos impostos dão para tudo!

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

E agora Catarina, a China já não é um regime ditatorial?

Observador 12-10-2016 aqui e aqui
Lembram-se do que os indignados, as esganiçadas e outros geringonços, bramaram aquando da venda de parte da REN e da EDP aos chineses?

A hipótese de uso de um ponto estratégico do território nacional ou da compra de metade de um banco por um regime ditatorial, não incomoda agora a Catarina? Ou será que já se esqueceu do que disse em 2011, quando o governo de "direita" vendeu parte da EDP: 


Aguardo ansiosamente pelos novos protestos e comentários a estas hipóteses.

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

E agora Galamba, o que é que vais celebrar?

Económico 2-3-2015
No ano em que o PIB português progrediu 1,6%, o sempre cómico João Galamba, um dos 12 mágicos do cenário que previa um crescimento de 2,6% ao ano, afirmava ser "difícil de perceber o que celebram Passos e Portas".

Pois bem. Agora que o governo socialista de António Costa, acompanhado pelo silêncio ensurdecedor do PCP e do BE, prevê para este ano apenas um crescimento de 1,2% e de 1,7% para 2017, mas em que o Banco de Portugal "aponta para uma desaceleração do PIB, de 1,6 por cento em 2015 para 1,1 por cento em 2016", e em que o "consumo privado deverá desacelerar de 2,6 por cento em 2015 para 1,8 por cento em 2016", é caso para perguntar ao João Galamba o que vai celebrar.

domingo, 9 de outubro de 2016

Em Lisboa há dinheiro, mas não tem havido cabeça

Nesta entrevista ao DN, José Eduardo Martins explica de forma simples, directa e em poucas palavras, os complicados problemas que Lisboa vive, deixando pistas do que será o programa do PSD para a cidade.
A ler!

"Como todas as taxas aumentaram brutalmente no ano passado, como se resolveu o problema do aeroporto, Lisboa parece que ganhou o Euromilhões e não sabe o que há de fazer ao dinheiro. Há dinheiro mas não há cabeça. (...) Para ser mais moderna, mais dinâmica, mais empreendedora tem antes de mais de inverter este problema demográfico de ter expulsado um conjunto de lisboetas da cidade".

"Claro que não temos turistas a mais, temos é uma péssima gestão do turismo em Lisboa. (...) Se a cidade decidir que não quer ter terminal de contentores, que quer ser uma cidade cujo principal ativo são os 16 quilómetros de costa, e quer ter uma atividade virada para a náutica de recreio a Administração do Porto de Lisboa ou governo vão mesmo decidir contra a cidade e fazer aqui um terminal de contentores?"

Lisboa "é uma cidade que está agrafada no presente, sem capacidade de olhar para o futuro. A cidade tem sido gerida de forma muito pouco transparente (...) os lisboetas já não aguentam mais obras feitas em catadupa. É o próprio vereador que já esteve na câmara com António Costa, que é supostamente uma autoridade no trânsito, o vereador Nunes da Silva, o primeiro a vir dizer que isto é apenas calendário eleitoral".

"Temos um metropolitano de Lisboa e uma carris, que neste modelo de passagem para a municipalização, a câmara tem mostrado estar tão apta a gerir essas novas realidades como a tratar o problema do estacionamento em segunda fila, que chega a ter dimensões ridículas. Há um terço da cidade que não é servida pelo metropolitano. Pode um programa de futuro ignorar isto?"

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Onde andam os prometidos crescimentos de 2,4% e 3,1%

Via FB Luis Faria
A propósito da revisão em baixa do crescimento para 2016 e 2017 (1,2% e 1,5%) é bom não nos esquecermos do que o PS dizia e prometia há um ano atrás e que agora tudo faz para esquecer e esconder, chegando ao desplante de ter apagado do seu site o milagroso cenário macro económico, que previa crescimentos de 2,4% e 3,1%, para 2016 e 2017.

Via 31 da Armada

Apesar de o conseguirem apagar do site, não conseguem apagar as noticias que na altura o noticiaram e que podem ser vistas aqui e aqui.

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

A falta de ética e de vergonha da geringonça

O governo aprovou hoje um programa de perdão fiscal, idêntico a outro que o governo anterior levou a cabo e que permitiu na altura arrecadar 1277 milhões de euros. Portanto o que aqui está em causa não é saber-se se esta é ou não uma medida positiva ou se em abstrato se concorda ou não com a mesma.

Com esta iniciativa a geringonça mostrou-nos mais uma vez a sua total falta de coerência e de vergonha.

Falta de coerência porque "esta é provavelmente a primeira das medidas adicionais que o Governo precisa enviar para Bruxelas para evitar sanções", quando o governo sempre afirmou que não necessitava de medidas adicionais para o cumprimento do orçamento. "Hoje caiu a máscara (ao governo) ao ser aprovada esta medida"

E falta de coerência e principalmente de vergonha, pela gigantesca cambalhota que PS, PCP e BE, fizeram. Se não veja-se o que os mesmos disseram em 2014:




Mas curioso, ou talvez não, foi também hoje o silêncio do PCP e do BE na reunião com o Secretário de Estado, provavelmente engasgados pelo sapo que tinham acabado de engolir.

Como disse Sá Carneiro, ‎"A Política sem risco é uma chatice... Mas sem ética é uma vergonha!", princípios que esta geringonça desconhece, para quem tudo vale para atingir os fins, nem que para isso tenham que renunciar às convicções, que tão acerrimamente defendiam há apenas 2 anos.

Adenda: "Em menos de 24 horas o Governo, e em particular António Costa, desmente duas vezes o Secretário Estado Rocha Andrade. Primeiro diz que o perdão fiscal não se aplica à Galp (porque o alteraram de ontem para hoje pelo embaraço político que o causou) e hoje o PM diz que não há nenhum perdão fiscal ao contrário do afirmado ontem à tarde por Rocha Andrade. São as consequências de ter um membro de governo claramente diminuído após o escândalo Galp e um Primeiro Ministro que decide em função de manchetes de jornais". In facebook, por Duarte Marques em 7-10-2016

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Parabéns António Guterres

Parabéns a António Guterres e à diplomacia portuguesa!

Grande resultado. Contra tudo e contra todos - Kofi Anan, Angela Merkel, Juncker e a golpada oportunista de última hora da Kristalina - que, com jogadas pouco claras e pouco éticas, tudo fizeram para destabilizar e derrotar a candidatura portuguesa, António Guterres obteve uma clara vitória hoje. O único sem votos contra.

Felizmente prevaleceu o bom senso no seio do Conselho de Segurança, pois como disse Sá Carneiro ‎"A Política sem risco é uma chatice... Mas sem ética é uma vergonha!" 

Como português estou orgulhoso e feliz por poder ver num dos lugares mais importantes do mundo, um dos nossos. António Guterres num processo transparente e exigente, provou ser o mais capaz para o cargo e o melhor garante para o prestígio e credibilidade da ONU.

António Guterres tem todas as condições, quer pela sua experiencia na ACNUR, quer pelas suas características humanistas, de procura de consensos e de diálogos, para voltar a colocar a ONU ao lado dos mais desfavorecidos e da paz. Não tenho dúvidas que o mundo ficou a ganhar com esta escolha e isso é o mais importante.

Quanto à Senhora Kristalina, depois do resultado humilhante de hoje - 8 votos contra e apenas 5 a favor, e pela golpada que tentou, deveria pensar seriamente se tem condições para continuar a ser vice-presidente da Comissão Europeia.

Alameda Edgar Cardoso, central de camionagem clandestina

Os autocarros de turismo tomaram de assalto a Alameda Edgar Cardoso (Parque Eduardo VII), transformando esta artéria numa autêntica central de camionagem clandestina.

Seja aos fim-de-semana, seja aos dias de semana, o estacionamento de dezenas de autocarros de turismo ocupam selvaticamente centenas de lugares de estacionamento, empurrando para dentro do Bairro do Alto do Parque (Rua Rodrigo da Fonseca e limítrofes) centenas de automóveis à procura de lugares de para estacionarem, fazendo com que mesmo aos fim-de-semana os moradores tenham enormes dificuldades em estacionar.

Muitos destes autocarros já chegam aqui vazios, sem turistas, que ficaram noutro qualquer ponto da cidade, ficando aqui a fazerem horas para os irem recolher de novo mais tarde.

Os lugares ocupados por estes autocarros, são lugares devidamente marcados para estacionamento pago de automóveis ligeiros. Sendo esta uma zona amarela da EMEL, devidamente assinalada, onde não está previsto o estacionamento deste tipo de viaturas, não se compreende a passividade quer da CML quer da EMEL, mas também da PSP e GNR (que patrulha a cavalo a zona), ao permitirem este caos.

A situação têm-se vindo a agravar nos últimos tempos, ao ponto de como é visível em algumas das fotos, os autocarros de turismos já estacionarem em 2ª fila, deixando apenas uma faixa de rodagem livre, para a circulação nos dois sentidos.

PS.: Este tema foi levado à Assembleia de Freguesia de Avenidas Novas de 22-9-2016, pela Associação de Moradores do Bairro do Alto do Parque, que tem documentado esta situação na sua página do Facebook.

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Alguém viu por aí o Mário Nogueira?

CM 4-10-2016
De 2015 para 2016, mais 1178 candidatos a professores ficaram fora das escolas, num total de 15.000 professores que não conseguiram colocação. Mas estranhamente e contrariamente ao que aconteceu em anos anteriores (se calhar até desde sempre), este ano os sindicatos e as esganiçadas estão em silêncio.

Imaginem o que já não bradariam para aí, se o governo fosse do PSD. No mínimo já teriam pedido a demissão do ministro de educação.

É caso para perguntar, onde anda o Mário Nogueira?

domingo, 2 de outubro de 2016

A ânsia por construir ciclovias é tal, que os socialistas nem a Lei respeitam

O executivo Socialista na Câmara de Lisboa decidiu contra tudo e contra todos, a construção de ciclovias em cima dos passeios na Avenida Fontes Pereira de Mello. Foi contra a Legislação Nacional mais recente nesta matéria, que promove a segurança dos ciclistas e peões enquanto utilizadores do espaço publico "...Os veículos, incluindo os velocípedes, só podem circular nos passeios desde que o acesso aos prédios o exija ..." Art 17º Lei n.º 72/2013.

Fernando Medina e Manuel Salgado, contrariam também, posição de inúmeras associações de ciclistas, as quais sempre defenderam "As ciclovias não devem ser construídas sobre os passeios, para evitar conflitos com os peões...." MUBI em 4 de Maio de 2016.

AdendaBoas práticas para a construção de ciclovias, pelo Eng.João Pimentel Ferreira, Ex-dirigente da MUBi - Associação pela Mobilidade Urbana em Bicicleta;
São basicamente apenas quatro regras que devem ser observadas:
1. Colocar ciclovias sempre a quotas diferentes da zona pedonal e com delimitação física desta; e sempre que possível à quota da rodovia.
2. Obter espaço para a sua construção sempre à custa da remoção do espaço alocado ao automóvel e nunca do peão. Caso tal não seja (politicamente) possível, simplesmente não fazer NADA.
3. Fazer ciclovias contínuas e sempre com um número de interseções igual ou menor que o trajeto equivalente de bicicleta pelo alcatrão/rodovia
4. Fazer preferencialmente, sempre que possível, ciclovias unidirecionais, uma para cada sentido, do lado direito!

Mais depressa se apanha um Salgado que um mentiroso

No seguimento dos meus posts anteriores (aqui e aqui), sobre as obras do Eixo Central, e para que não restem dúvidas que o Vereador Manuel Salgado mentiu de forma totalmente despudorada, quando em 1-7-2016 escreveu, que não seriam abatidas mais árvores na Av. Fontes Pereira de Melo, depois das 5 abatidas entre 16 e 18 de Junho, deixo-vos algumas fotos tiradas precisamente a 18 de Junho e depois os mesmos locais fotografados a 28 de Agosto, quando a dupla Fernando Medina e Manuel Salgado, resolveram abater  de forma indiscriminada praticamente tidas as árvores que restavam. Salvaram-se apenas umas poucas junto ao Imaviz e Fórum Picoas.

Infelizmente tinha razão quando perguntei se "agora, também vão abater as restantes árvores da Av. Fontes Pereira de Melo?", pois nem uma das grandes árvores que ao longo dos anos resistiram estoicamente, ficou para recordação, apenas porque estavam no caminho de mais uma das ciclovias do Zé.


De todas as árvores abatidas, apenas uma apresentava sinais de doença e necessitava realmente de ser abatida. Todas as outras foram-no única e exclusivamente por vontade de Fernando Medida, Manuel Salgado e Sá Fernandes.

Não posso deixar de registar o silêncio daqueles que não se coibiram de reclamar, bramar energeticamente e mesmo de apelidar de "arboricidio", o abate de árvores preventivo, que a Junta de Freguesia de Avenidas Novas levou a efeito na Av. Álvaro Pais, onde, como tive oportunidade de mostrar aqui, todas as árvores abatidas estavam doentes, algumas mesmo em risco de queda e agora após estes atentados perpetrados pela vereação socialista que nos governa, não se lhes ouve um pequeno comentário ou observação que seja.

Obrigado