quinta-feira, 28 de agosto de 2014

E quer esta gente ser governo

video
Eles falam, falam, não têm uma única ideia para Portugal e ainda admitem que "há uma falência de respostas que é comum aos partidos socialistas europeus". Será que percebi bem, ou o Tó Zé e o Costa não são socialistas?

Avisem o Costa


quarta-feira, 27 de agosto de 2014

E o culpado foi o médico...

A ver se percebi:
- Apurámo-nos para o Brasil apenas no play-off;
e a FPF demorou 61 dias (desde o jogo com o Ghana), para chegar à brilhante conclusão que a culpa do desastroso desempenho da Selecção Nacional no Brasil, foi do médico e que a receita para a maleita que afectou a selecção é promover o treinador (que obviamente nada teve a ver nem com a estratégia, nem com a escolha dos jogadores....), sem, todavia, explicar o que verdadeiramente determinou esse mau resultado.
Desculpem-me mas se até aqui pouco percebia de futebol, agora é que não percebo mesmo nada.

sábado, 23 de agosto de 2014

Retrato de Portugal na Europa

Retrato de Portugal na Europa, edição da Pordata/Fundação Francisco Manuel dos Santos, Abril de 2014, apresenta-nos um interessante resumo de indicadores sobre diversas áreas da sociedade, que comparam Portugal com os 28 países membros da União Europeia.

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Higiene Urbana - de quem é a responsabilidade?

Com a reorganização administrativa de Lisboa, algumas competências que até agora eram da responsabilidade da Câmara Municipal, passaram para as Juntas de Freguesia. No caso da higiene urbana saiba o que desde Março compete à Junta de Freguesia e o que continua a ser responsabilidade municipal. 

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Lisboa é linda

In Observador 18-8-2014
Vídeo sobre Lisboa, em 3 rápidos minutos, pela objectiva de um Polaco - Kirill Neiezhmakov, tem já mais de 135.000 visualizações no Vimeo e mais de 11.000 no You Tube, em apenas 7 dias.

video

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Informação útil sobre o Ebola

Dowload PDF aqui

A Liberdade no mundo em 2013

In Expresso 24-1-2014
Os resultados do relatório de 2013 da Freedom House, divulgado em Janeiro, e intitulado "Freedom in the World 2014", são um alerta vermelho para a democracia: mais de metade dos países do mundo têm pouca ou nenhuma liberdade. Cerca de 2,5 mil milhões de pessoas vivem em condições de repressão.

Em 2013, 88 países foram considerados "livres", 59 "parcialmente livres" e 49 "nada livres", o que signifca que há 45% de países com muita liberdade contra 55% de países com nenhuma ou pouca liberdade, num total de 195 países observados. Destes 54 países registaram um drecéscimo nos  níveis das suas liberdades. A situação só melhorou para 40, de acordo com o estudo.

Nos países da CPLP, nota negativa para a Guiné-Bissau, que está entre os dez países que liberdades políticas e civis perderam nos últimos cinco anos. 

Quénia, Honduras, Nepal, e Paquistão passaram a ser classificados como democracias eleitorais em 2013, o que fez subir para 122 o total de países democráticos no mundo.

Paradoxalmente, em relação a 2012, só o Mali é que subiu de nada livre a parcialmente livre, apesar da situação de violência que se vive no país. Serra Leoa e Indonésia desceram na classificação passando de livres a parcialmente livres, enquanto a Republica Central Africana e o Egito passaram a ser considerados nada livres. 

Os onze países menos livres do mundo são a Arábia Saudita, Coreia do Norte, Eritreia, Guiné Equatorial, República Central Africana, Síria, Somália, Sudão, Tibete, Turquemenistão e Uzbequistão. 

O governo autoritário do Presidente russo Vladimir Putin também é alvo de nota devido a "uma série de manobras oportunistas" de Putin, incluindo a política de asilo concedida a Edward Snowden, assim como práticas de intimidação, condenação criminal de manifestantes e opositores políticos.  

O relatório refere que há corrupção, violência e ataques verbais à comunidade LGBT [homossexuais e transexuais] por parte dos deputados. 

Partindo de uma base que inclui 25 items de análise, cada país ou território é classificado com 'notas' de um, representando o mais livre, a sete, o menos livre.

O relatório destaca o papel do "autoritarismo moderno" no controlo e repressão das liberdades da imprensa, do sistema judicial, da sociedade civil da economia e das forças de segurança. 

Os países que praticam este tipo de autoritarismo enfraquecem os opositores políticos mantendo uma "imagem exterior de ordem, legitimidade e prosperidade."

A Europa central é acusada de xenofobia. Políticas anti-imigração de países como o Reino Unido, Franca, Holanda e Áustria merecem nota negativa, bem como o crescimento de movimentos extremistas como a Aurora Dourada, na Grécia, políticas antissemitas e intolerância face à comunidade LGBT.

Veja aqui o relatório na integra
Veja aqui o mapa da Liberdade