sábado, 31 de março de 2012

TVI erra nome da Passos Coelho

Depois do Caralho da Silva na SIC a 27 de Janeiro, temos agora o Paços Coelho na TVI
Na entrevista à TVI na passada quinta-feira, 29 de Março, durante cerca de 15 minutos, apareceu no canto inferior direito das nossas TV's um "logótipo" em que estava escrito  Paços Coelho.

E já agora, convém não esquecer o memorável encontro entre o Passos e o Coelho, noticiado pelo Público a 14 de Fevereiro.

A continuar assim, este vai ser um ano cheio de gaffes. Enfim os nossos media no seu melhor

quinta-feira, 22 de março de 2012

Uma vitrina cheia de nada

O desleixo desta vitrina é o espelho da actividade da Junta de Freguesia e daqueles que pretensamente a governam. Tanto papel e tão pouca, ou nenhuma actividade!

Imagem da estagnação de uma junta

Home page do site da Junta de Freguesia de Nossa Senhora de Fátima, espelho do estado de estagnação a que esta Junta chegou e prova da sua total incapacidade para acompanhar o que se passa na Freguesia que deveriam gerir e da população que deveriam representar. Ultima actualização em 4 de Janeiro!!!

Será que nada acontece nesta Freguesia no coração de Lisboa?

quarta-feira, 21 de março de 2012

Proposta de Revisão Estatutária - Mais Participação


No próximo fim de semana realiza-se em Lisboa o XXXIV Congresso Nacional do PSD.

Enquanto Congressista eleito pela Secção de Lisboa e em conjunto com mais 3 Congressistas, apresentamos ao Congresso uma proposta de revisão estatutária, cujo primeiro subscritor é o companheiro Paulo Ribeiro.

Subordinada ao tema “Valorização das Estruturas Municipais (Secções e Núcleos) e Dinamização da Participação dos Militantes”, esta proposta visa permitir Mais Participação aos militantes nas estruturas de base – Núcleos e Secções.

Nos últimos anos tem-se assistido a um crescente afastamento da vida activa do Partido de muitos militantes, que tem levado a um esvaziamento de muitas destas estruturas de base, seja devido às novas tecnologias, que permitem uma propagação em tempo real da informação, seja com a passagem de muitos processos de decisão para níveis superiores do Partido.

É urgente pois, dotar estas estruturas de competências que lhes permitam voltar a ter um papel importante na dinamização dos seus militantes, como sejam a de participarem activamente na escolha dos candidatos aos órgãos autárquicos, nomeadamente os das Freguesias, mas também criando algumas incompatibilidades, que irão permitir que um maior número de militantes possa integrar os órgãos do Partido a nível local e consequentemente que mais militantes sejam envolvidos nos processos de decisão.

A possibilidade de introdução do voto electrónico, através do cartão de cidadão, o reforço da ligação entre eleitos locais e o Partido, bem como uma maior responsabilização dos órgãos eleitos junto dos militantes, com a obrigatoriedade de apresentação de relatórios de actividade anuais, são outras das matérias que esta proposta de revisão estatutária aborda, sempre com a finalidade de reforçar a participação dos militantes na vida do Partido, o que permitirá também retomar o debate politico, que por vezes tão afastado tem andado do nosso partido.

Com esta proposta pretendemos assim aumentar o papel de decisão dos militantes ao nível local, contribuindo para uma maior implantação do Partido a nível autárquico, área para onde os núcleos e secções devem estar primordialmente vocacionados.

Aos Congressistas que irão analisar e votar as 4 propostas de revisão estatutária apresentadas ao Congresso e que são maioritariamente, tenho a certeza, militantes e dirigentes de base do nosso Partido, espero que adiram fortemente à única proposta que tem como ponto central o reforço das competências das suas estruturas.

Uma palavra de agradecimento para os mais de 100 subscritores de todo o país (Congressistas eleitos), que tornaram possível que esta proposta, fruto de um trabalho realizado ao longe de vários debates, no qual participaram algumas dezenas de companheiros, tivesse sido apresentada nos prazos regulamentares.

A finalizar um agradecimento especial aos meus amigos e companheiros, Paulo Ribeiro, Pedro Correia e Luís Metelo que comigo são Congressistas por Lisboa e primeiros subscritores, mas também aos companheiros Américo Vitorino, Ângelo Pereira, António Pinheiro Torres, Cândida Borges, Carlos Duarte, José Eduardo Castela, José Salsinha, Luísa Chaves, Manuel João Bóia, Margarida Saavedra, Paulo Serra, Rui Carapeto, Vasco Mina e Vítor Navalho, cuja participação no processo de reflexão que permitiu apresentar esta proposta foi fundamental.

Veja aqui as 4 propostas de revisão estatutária

domingo, 18 de março de 2012

Morreu António Leitão

António Leitão deu ao atletismo português um dos seus momentos mais altos, com a sua medalha de bronze nos 5.000 metros nos Jogos Olímpicos de Los Angeles em 1984.

Lembro-me de ter visto a corrida em directo e do nervoso com que a acompanhei principalmente a partir dos 4.000 mt, momento a partir do qual se sentia que uma medalha podia ser "nossa" e a alegria que senti com aquele 3º lugar.

Com a sua morte hoje, Portugal perde um grande atleta a quem infelizmente nunca foi dado o merecido reconhecimento e destaque.

video

Os recordes nacionais dos 3.000mt, conseguido em 1983 e das 2 milhas, conseguido em 1982 e posteriormente melhorado em  1984, ainda são seus.


sábado, 17 de março de 2012

Senhores Vereadores entendam-se!

A 24 de Julho de 2011, chamei aqui a atenção para o estado em que se encontrava o quarteirão da Av. Defensores de Chaves entre as Avenidas João Crisóstomo e Duque de Ávila.

No dia seguinte, um deputado da Assembleia Municipal de Lisboa, através de requerimento dirigido à Senhora Presidente desse mesmo órgão, solicitava à Câmara os seguintes esclarecimentos:
    a) Para quando se previa a requalificação desse quarteirão da Av. Defensores de Chaves;
   b) Se a intervenção seria da responsabilidade do Metropolitano de Lisboa ou da Câmara Municipal de Lisboa.

Esse mesmo requerimento foi enviado ao Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, através de oficio de 29 de Julho, pela Senhora Presidente da Assembleia Municipal, onde se solicitava "que, com a brevidade possível providencie a informação requerida"

A resposta da Câmara Municipal é enviada à Assembleia Municipal pelo Senhor Vice-Presidente da Câmara Municipal de Lisboa através de oficio datado de  18 de Novembro.

Nesse oficio é reconhecido que por causa das obras do Metropolitano, o referido quarteirão "ficou com o piso muito degradado" e a DMAU estava a concluir um "Projecto de Requalificação da Avenida Defensores de Chaves, com alterações de geometria significativas nos encabeçamentos dos separadores centrais junto aos cruzamentos....".

Era ainda referido que "após a entrega do projecto referido, a DMPO elaborará o Projecto de Execução (...) para abertura de Concurso Público" e que tinha sido solicitado "à DMAU a conclusão do respectivo projecto, com a maior brevidade possível".

Em nada nesta informação é dito ou sugerido, que as placas centrais da Av. Defensores de Chaves, serão transformadas em zona pedonal e em ciclovia, eliminando por completo o estacionamento nas mesmas, como afirmou o Sr. Vereador Nunes da Silva hoje em declarações ao Público. Ou seja existe aqui uma clara diferença de ideia sobre o que se pretende para a Av. Defensores de Chaves. Será que além do projecto desenvolvido pela DMAU, os serviços na dependência do Sr. Vereador Nunes da Silva têm outro projecto?

Já sobre a questão colocada de quem seria a responsabilidade da intervenção, ou seja, quem pagaria a referida intervenção, nem uma resposta! Ou seja, assume-se que o prejuízo foi provocado pelo Metropolitano, mas nada se diz sobre quem pagará a recuperação.

É bom que a CML fale a uma só voz e que a informação prestada aos autarcas e aos munícipes seja, sobre cada assunto, apenas uma. Os moradores e comerciantes desta zona estão fartos de obras e apenas querem ver a "sua rua" devidamente arranjada e como era antes. 

Estamos todos a ficar fartos das "brincadeiras" e "mal entendidos" da CML e principalmente do Senhor Vereador Nunes da Silva. Está na hora de este assunto ser levado a reunião de Câmara e que o Senhor Presidente da Câmara ponha definitivamente um ponto final, nos devaneios do Senhor Vereador Nunes da Silva, nas Avenidas Novas.

Sr. Vereador Nunes da Silva, de uma vez por todas diga o que quer?

Hoje de manhã ,andei com outros membros da Associação de Moradores das Avenidas Novas, em contactos com os comerciantes da Av. Defensores de Chaves, a informá-los e alertá-los para as intenções da Câmara Municipal para esta artéria.

A reacção quase unânime, quer dos comerciantes contactados, quer de moradores com quem tivemos oportunidade de falar, foi de surpresa mas, principalmente, de total discordância com a ideia do Vereador Nunes da Silva de transformar a Av. Defensores de Chaves numa nova Duque de Ávila.

E as perguntas que mais vezes nos colocaram foi o porquê desta obra e quem a vai pagar.

Ninguém percebe que, em plena crise como aquela que atravessamos, a Câmara teime em "brincar às obras", com ideias que ninguém entende e sem apresentar atempadamente um projecto sério do que realmente pretende fazer em toda esta zona que, pelo que vemos, começou na Av. Duque de Ávila, está a continuar na R. Filipa de Vilhena e que pretende alargar à Av. João Crisóstomo, como anunciado em Agosto passado, à Av. Miguel Bombarda, como anunciado em Outubro do ano passado e agora à Av. Defensores de Chaves.

Terá o Sr. Vereador alguma ideia do quer para as Avenidas Novas ou, pura e simplesmente, quer realmente infernizar a vida de quem cá mora e trabalha.

Mas surpresa das surpresas, vem hoje o Sr. Vereador dizer, em declarações ao Público, que o que foi comunicado por uma das suas assessoras em e-mail de resposta a um munícipe, não está correcto e que não passa de um "mal-entendido (...) gerado por um lapso de pontuação na resposta dada a um munícipe, como admitiu o vereador, e que propiciou a confusão entre a Defensores de Chaves e a Miguel Bombarda".

E pelos vistos o "mal-entendido" só é esclarecido depois da Associação de Moradores das Avenidas Novas denunciar esta aberração e de a mesma ter saltado para as páginas dos Jornais. Não deveria o Sr. Vereador ter mais cuidado com quem tem a trabalhar no "Núcleo de Acompanhamento do Munícipe e Freguesias" de forma a esclarecer devidamente os munícipes em vez de criar "mal-entendidos"?

Mas nestas declarações de hoje ao Público, o Sr Vereador confirma a absurda intenção, anunciada em Outubro passado «de reperfilamento da Avenida Miguel Bombarda, que continuará a ter apenas um sentido de circulação, mas com a supressão da terceira faixa de rodagem - "ocupada por estacionamento em segunda fila", O objectivo é impedir a continuidade de estacionamento abusivo através do parqueamento, em alguns troços, em espinha e em outros em longitudinal, existindo a possibilidade de se proceder a um alargamento dos passeios».

E só quem não conhece e não passa pela Av. Miguel Bombarda é que não percebe que a supressão de uma faixa de rodagem vai prejudicar e muito a circulação nesta artéria, principalmente às horas de ponta. E passeios mais largos para quê? Esta é uma das artérias com os passeios mais largos das Avenidas Novas. Não seria mais fácil, Sr. Vereador, proceder a uma fiscalização eficaz e de tolerância zero ao estacionamento indevido? Não se gastava dinheiro de forma totalmente despropositada e a Câmara ainda arrecadava alguma receita, com as eventuais autuações aos automobilistas prevaricadores.

Mas quanto à Av. Defensores de Chaves, diz ainda o Vereador Nunes da Silva ao Público de hoje que «a situação da Av. Defensores de Chaves é diferente, pois, segundo refere o vereador, "não se prevê alteração de sentidos de circulação nem alteração do seu perfil, mas sim a possibilidade de reordenar o estacionamento de forma a libertar a placa central para passeio pedonal e pista ciclável para ligação entre a Praça José Fontana e a Praça do Campo Pequeno."»

Ou seja, de uma forma ou outra o Sr. Vereador quer mesmo fazer obras na Defensores de Chaves e roubar a maioria dos lugares de estacionamento aos moradores, comerciantes e clientes do comércio local que ainda vai resistindo. E não venha o Sr. Vereador com a sua lenga lenga, de que os moradores querem estacionar à porta de sua casa, porque isso não é verdade. Os moradores querem é estacionar. E não é nos parques pagos que estão a ser contruídos. É na rua, na zona onde moram e onde sempre estacionaram.

Outra pergunta que nos fizeram muitas vezes esta manhã, é se era conhecida a posição da Junta de Freguesia de Nossa Senhora de Fátima. Para variar até agora a Junta não teve ainda nenhuma posição sobre estas questões. Mas como agora as obras previstas vão ser na rua onde vive a Senhora Presidente da Junta (Av. Defensores de Chaves) e lhe vai afectar directamente a possibilidade de estacionar como o faz até hoje, pode ser que a Junta se mexa e se coloque ao lado dos moradores e comerciantes.

Por mim e pela Associação de Moradores das Avenidas Novas não nos iremos calar e continuaremos quer a denunciar as aberrações da CML para esta nobre zona da cidade como a alertar os moradores, comerciantes e todos aqueles que por uma razão ou outra usufruem das Avenidas Novas, por muito que isso incomode seja quem for.

sexta-feira, 16 de março de 2012

Defensores de Chaves vai ter um espaço pedonal

In Público 16-3-2012
Não chegam de obras nesta zona da cidade? 
Não chega de prejudicar o comércio?
Se dúvidas houvesse, agora há a certeza que o Vereador Nunes da Silva, desde que deixou de morar nas Avenidas Novas, resolveu, com a ajuda do Vereador Sá Fernandes, fazer a vida num inferno aos que cá moram e trabalham.
Basta de obras!!!

Obras na Av. Defensores de Chaves?


O Vereador Nunes da Silva tem uma nova forma de comunicar as "novidades". Agora ficamos a saber das suas intenções para a cidade através de e-mails enviados pelo seu gabinete aos munícipes.

Sim é verdade. No meio de uma resposta por e-mail a um munícipe, associado da Associação de Moradores das Avenidas Novas, ficamos a saber que este Vereador, além de continuar a insistir em obras na Av. João Crisóstomo e R. Filipa de Vilhena, onde contra tudo e todos insiste em colocar dois sentidos, tem agora a intenção de construir um "espaço pedonal (idêntico ao que hoje existe na Av. Duque de Ávila) na Av. Defensores de Chaves".

Quais as verdadeiras intenções do Vereador Nunes da Silva? Não se sabe. Mas uma coisa é certa, se esta ideia for avante, vamos ter mais anos e anos de obras nas Avenidas Novas, zona da cidade por demais martirizada pela incompetência e caprichos da Câmara.

E qual a necessidade e utilidade desta intervenção, numa altura em que tantos são os problemas nesta zona da cidade, incluindo fome e aos quais a Câmara tudo parece fazer por os ignorar?

E já agora, quem vai pagar uma intervenção destas, que a ninguém faz falta? Não está esta Câmara sem dinheiro?

segunda-feira, 12 de março de 2012

Será isto um armazém de lenha?


Jardim Gomes de Amorim ou como é mais conhecido Jardim da Casa da Moeda.

Este é mais um espaço verde localizado na Freguesia de Nossa Senhora de Fátima, cuja responsabilidade de manutenção e limpeza é da respectiva Junta de Freguesia, como aliás esta Junta faz questão de publicitar.


Esta responsabilidade, respeitante a diversos espaços verdes, é delegada pela Câmara Municipal de Lisboa, através de um protocolo, na Junta de Freguesia, transferindo a Câmara Municipal uma verba anual de quase 90.000,00€, respeitante a "limpeza de parques infantis, gestão, conservação, arranjo, manutenção e limpeza de espaços ajardinados e outros espaços público".

Se fosse membro desta Junta de Freguesia, eleito pela população, teria vergonha de ter um Jardim sob a minha responsabilidade neste estado.

Além de degradado no seu geral, o "WC canino" sofreu acentuada degradação no último ano, ao ponto de neste momento, pouco mais ser que um amontoado de lenha, que a Junta de Freguesia faz teimosamente questão de manter.

Não será já tempo de os membros da Junta e os assessores que para lá andam, saírem daquelas 4 paredes e verem o que se passa na Freguesia que deveriam gerir e cuidar e para o qual alguns são demasiadamente bem pagos, para os resultados que se vêm?

É para isto que recebem milhares de euros da Câmara Municipal? Para onde vai esse dinheiro? Na manutenção e limpeza dos espaços verdes é que não é aplicado de certeza.

Até quanto?

domingo, 11 de março de 2012

130 dias depois a Assembleia vai continuar

130 dias depois, o Senhor Presidente da Assembleia de Freguesia da Cruz Quebrada-Dafundo lembrou-se que tinha deixado uma Assembleia a meio no passado dia 4 de Novembro.

Um desrespeito pela Assembleia, pelos seus membros e pela Freguesia. E acima de tudo mais uma prova de incompetência e falta de capacidade para o lugar, resultado de uma lista feita de amigos em vez de candidatos preparados e motivados para desempenhar o cargo de autarca.

Em mais de 12 anos como autarca nunca tinha assistido a algo parecido com isto. Quando uma Assembleia de Freguesia é suspensa por, como foi o caso, já ser demasiado tarde e ainda faltarem 2 pontos da ordem de trabalhos para analisar e debater, o normal é que na própria Assembleia seja de imediato marcada uma data para a realização de uma reunião para terminar a Assembleia, num prazo que se situa normalmente entre uma a duas semanas no máximo. Algo que o PSD propôs na altura e o PS e o Presidente da Mesa liminarmente rejeitaram.

Vamos aguardar por terça-feira, para vermos qual a justificação que nos vai ser dada para este intervalo e verificarmos se este tempo todo permitiu ao Senhor Presidente preparar os temas que ainda faltam discutir e apresentar as respostas que os membros da Assembleia esperam à já uns meses.

sábado, 10 de março de 2012

Esta Ana Manso não se enxerga!


Demissão de auditor casado com administradora foi "único acto" possível, diz ministro da Saúde

Mas será que esta gente não pensa antes de agir?

Nomear o marido para o cargo de auditor interno do organismo a que preside. Tipo negócio caseiro. Sem comentários!

Esta Ana Manso não se enxerga. Ainda tem a lata de vir dizer que a nomeação cumpriu os requisitos legais. Devia era ficar calada e se tivesse vergonha demitia-se.

Se não, devia ser demitia-a e já! Em nome da transparência.

Programa BIP-ZIP 2012 - Bairro Santos


Está aberto até 30 de Março o período para candidaturas ao Programa BIP/ZIP Lisboa 2012 – Parcerias Locais.

Este programa Municipal permite “dinamizar parcerias e pequenas intervenções locais de melhoria dos “habitats” abrangidos, através do apoio a projectos levados a cabo por juntas de freguesia, associações locais, colectividades e organizações não governamentais, contribuindo para o reforço da coesão socio-territorial no município”.

De acordo com as regrasPodem concorrer ao Programa as Juntas de Freguesia que incluam nos seus territórios pelo menos um BIP/ZIP” e “as candidaturas devem ser apresentadas por uma parceria territorial composta por pelo menos duas entidades”. “Cada projecto apresentado poderá ser financiado com uma taxa de financiamento de 100% e até ao montante máximo de 50.000€”.

A Freguesia de Nossa Senhora de Fátima tem no seu território um BIP/ZIP (nº 35), no Rego (Bairro Santos e PER), pelo que a Junta de Freguesia pode ser promotora de pelo menos uma candidatura. Ou vai mais uma vez fingir que nada sabe, assobiar para o lado e desperdiçar a hipótese de desenvolver um projecto numa zona da Freguesia com tantas carências?

Ou será que a Junta de Freguesia não tem capacidade de fazer uma parceria com outra entidade da Freguesia e do Bairro Santos de forma a desenvolver um projecto para o qual pode dispor de 50.000€;

Ou será que os membros do executivo da Junta de Freguesia, os seus funcionários e assessores altamente qualificados e competentes, não estão à altura deste desafio e acham que a Freguesia não precisa de 50.000€.

Não posso deixar de manifestar o meu descontentamento, mas não admiração (porque será??), por em 2011 a Junta de Freguesia não se ter candidatado a este programa, ao contrário de outras 16 Juntas.

Até quando esta Junta de Freguesia vai continuar a desperdiçar oportunidades de intervir na Freguesia?

sexta-feira, 9 de março de 2012

Mas afinal quem é o mentiroso?

Com tanta polémica acerca do que Cavaco Silva escreveu, até parece que o mentiroso é ele. Estes socialistas ainda não perceberam o que o Sócrates fez ao país.

António Capucho, em entrevista à Lusa - Diário Digital

quinta-feira, 8 de março de 2012

2 bons exemplos

Ontem à noite assisti à primeira parte do primeiro debate do ciclo Rasgar a Indiferença / Pensar Portugal. Uma iniciativa que levou à sala da Biblioteca Museu da Resistência em Benfica, mais de 30 pessoas, numa noite a meio da semana, para debateram o tema "Maçonaria".

Um bom exemplo, de que é possível organizar um debate mobilizador de uma assistência interessada e participativa, sem recorrer ao aluguer de salas de hotéis, utilizando para tal um dos muitos espaços que a cidade nos oferece. 



Seguidamente e na minha qualidade de autarca eleito de Oeiras, acompanhei a parte final da Assembleia da Secção de Oeiras do PSD, a 2º maior do país, onde assisti à parte final de um interessante debate, que decorreu no ginásio da União Recreativa do Dafundo.

Esta Assembleia foi outro um bom exemplo, da utilização de espaços públicos, neste caso para uma reunião partidária, sem recorrer ao aluguer de salas de hotéis. Em tempos de crise e quando as sedes partidárias não têm espaço para albergar muitos militantes o PSD tem que dar o exemplo de austeridade, procurando salas com capacidade e sem os altos custos dos hotéis. Só faltou a presença de pelo menos uma bandeira do PSD e das bandeiras Nacionais e do Concelho.

Mas este é também o exemplo de que a desculpa de não haver dinheiro, não é razão para a não realização de Assembleias de Secção em Lisboa. Como ontem em Oeiras, existem de certeza em Lisboa, dezenas de salas, desde escolas, colectividades, salões dos bombeiros etc, onde o PSD pode reunir com dignidade.

terça-feira, 6 de março de 2012

Rasgar a Indiferença / Pensar Portugal

Inicia-se amanhã um ciclo de debates e reflexões subordinado ao tema "Que Portugal no século XXI". Composto por 8 debates, prolonga-se até final de Junho, ao ritmo de 2 debates por mês.

Esta iniciativa é promovida por um grupo de amigos e militantes do PSD, que pretendem Rasgar a Indiferença que se vive desde há pelo menos um ano na actividade do PSD em Lisboa e ao mesmo tempo aproveitar para Pensar Portugal.

Aberto a todos, militantes ou não do PSD, este é um exemplo de que a discussão e o debate de alguns dos temas da actualidade politica actual, não se esgota nos Partidos e que a abertura destes debates à participação de toda a sociedade, pode e deve ser uma oportunidade para apontar caminhos e soluções para o Portugal que queremos.

Este é um excelente exemplo, de que quando há vontade de promover o debate e a análise de temas políticos actuais e os partidos, como é o caso actualmente do PSD em Lisboa, não respondem, os militantes podem e devem tomar a iniciativa, de despoletar o debate, sem no entanto pretenderem substituir ou ofuscar essas estruturas partidárias. Uma atitude sem dúvida de louvar e que deveria servir de exemplo, para muitos que apenas sabem dizer "que isto vai mal e que cada vez mais as pessoas se afastam da politica", mas nada fazem para inverter esta tendência. Estão pois de parabéns os organizadores

O primeiro debate tem como tema "As ordens secretas (Maçonaria) e a Sociedade" e tem como convidado o Professor Doutor António Ventura.


Todos os debates irão decorrer na Biblioteca - Museu República e Resistência Espaço Grandella, Estrada de Benfica, 419 

Avenidas Novas TV

video
A ANtv - Avenidas Novas TV, já está no ar!

Com esta iniciativa a Associação de Moradores das Avenidas Novas, disponibiliza um novo canal de comunicação com os seus associados e população em geral.

Siga-nos no canal 710177 do Meo ou no You Tube

domingo, 4 de março de 2012

As eleições de ontem


Nas eleições que decorreram ontem no PSD para eleição do Presidente do Partido, Pedro Passos Coelho foi reeleito, como se esperava, com 95,5% dos votos.

No entanto, esta vitória foi obtida com uma participação relativamente baixa dos militantes. Votaram menos de 20.000 militantes.

Na Secção de Lisboa (a maior do país) votaram apenas 716 militantes, de um caderno eleitoral que tinha 3751 militantes, com capacidade para votarem, o que representa uma participação eleitoral de apenas 19,09%!

Em Novembro passado, nas eleições para a Comissão Politica Distrital e para os Delegados à Assembleia Distrital, votaram 1645 militantes. Em menos de 4 meses, votaram menos 929 militantes! Ou seja votaram menos 56,5% dos militantes!

Este é um dado preocupante, que revela um claro afastamento dos militantes do Partido e da sua actividade e que deve ser merecedor de uma profunda reflexão

Numa altura em que estamos às portas de um Congresso, em que serão apresentadas e votadas propostas de revisão estatutárias, devem ser criadas soluções que estatutariamente permitam que mais militantes participem activamente nos destinos do partido, impedindo que, como se ouve cada vez mais, sejam sempre os mesmos a ocupar os lugares.

É também importante criar mecanismos que obriguem  à informação dos militantes. Não pode voltar a acontecer um acto eleitoral, com a importância do que decorreu ontem sem o envio de uma convocatória aos militantes (o que aconteceue pelo menos em Lisboa). É preciso termos a consciência que uma faixa muito grande dos nossos militantes não tem acesso ou não utiliza as novas tecnologia e que muitos dos endereços de e-mail que constam das listagens de militantes estão desactualizados.

Tive oportunidade de contactar alguns militantes nos 2 ou 3 dias que antecederam o acto eleitoral e a maior parte deles não sabia que ia haver eleições. Isto não pode continuar a acontecer.

Por outro lado, pelo menos em Lisboa, o debate politico praticamente acabou. Não houve no último ano uma única Assembleia Concelhia em Lisboa (excluindo as que, como ontem, foram exclusivamente eleitorais). A transformação das próprias Assembleias Distritais, em sessões de esclarecimento, com a presença de membros do governo e outros convidados, e que são sem dúvida importantes, não podem servir de pretexto para a não existência de verdadeiras Assembleias Distritais, que permitam o debate sobre a situação política e autárquica do Distrito.

Com este tipo de actuações estamos a esvaziar o Partido daquilo que de mais precioso tem – a sua massa critica, os seus militantes.

A Concelhia de Lisboa tem vivido desde a sua eleição em Fevereiro do ano passado, tempos demasiadamente tumultuosos, que levaram a uma total estagnação desta estrutura, com um presidente da Comissão Politica totalmente isolado dos seus pares e dos militantes, com várias demissões no seu seio e um Presidente da Assembleia Concelhia desaparecido.

O aparecimento da Lista B de delegados ao XXXIV Congresso Nacional e que ontem ganhou as eleiçoes em Lisboa, com 454 votos e 25 delegados eleitos, espero que seja o começo de uma nova era em Lisboa, que traga a calma e a serenidade que este Concelho precisa e merece.

Por outro lado, é bom que o ainda Presidente da Concelhia de Lisboa, que patrocionou o aparecimento de uma lista, a P, que ficou em último lugar com apenas 98 votos e 5 delegados eleitos, perceba de uma vez por todas que está a mais neste Concelho e que não faz parte da solução para Lisboa, pois é nele que reside o problema e que se demita rapidamente, para permitir a pacificação do concelho.

Não posso deixar de referir a forma amadora como decorreu o acto eleitoral ontem em Lisboa. Desde a inexistência dos boletins de votos, que provocou um atraso de 30 minutos na abertura das urnas, a cadernos eleitorais com falta de mais de dez páginas (na mesa 5, onde votei), à inexestencia de locais onde com algum alguma reserva se pudesse assinalar o voto nos boletins - de tudo aconteceu um pouco, o que em nada dignificou este acto eleitoral.

Também a escolha da sede do Campo Pequeno, num 3º andar sem elevador, não foi de certeza uma escolha feliz. Infelizmente votaram poucos militantes. Mas se tivesse havido uma afluência idêntica à de Novembro passado, teria sido caótico.

Como congressista por Lisboa, eleito pela Lista B, não quero deixar de agradecer a todos os que foram votar a sua participação neste acto eleitoral e em particular àqueles que votaram na lista B.

sábado, 3 de março de 2012

Hoje voto Lista B!

Eleição dos Delegados de Lisboa ao XXXIV Congresso Nacional do PSD.

Local de voto: Sede da antiga Secção B, Largo do Campo Pequeno, 16 - 3º. Das 17h às 23h

Carreira 776 - Redução do período de funcionamento começa hoje

As alterações do período de funcionamento da carreira 76, que a partir de agora passa a 776, começam hoje.

Redução do período de funcionamento e redução da frequência aos sábados à tarde, domingos e feriados, são as alterações introduzidas. (Consulte aqui todas as alterações que entram hoje em vigor na rede da Carris)

A partir de hoje a primeira carreira inicia o seu percurso em Algés às 5,15h, quando anteriormente era às 4,45h e a última passa a ser às 0,00h, quando anteriormente era às 0,40h. Já a primeira partida junto à FMH, passa a ser às 5,25h, quando anteriormente era às 4,30h e a última passa a ser às 0,15h, quando anteriormente era às 0,50h.

Enquanto isto vai acontecendo, continua sem ser marcada a reunião da Comissão de Transportes da Assembleia de Freguesia da Cruz Quebrada-Dafundo, para se discutir e analisar de uma forma séria e integrada a situação dos transportes na Freguesia. Esta Comissão foi criada há quase um ano, por proposta do PSD, com os votos a favor do PS, e desde então o Senhor Presidente da Assembleia de Freguesia, apesar dos diversos pedidos dos membros da Assembleia e mesmo de deliberações da mesma, aprovadas por unanimidade, recusa-se a promovê-la.

É tempo de o Senhor Presidente da Assembleia de Freguesia se deixar de propor reuniões que depois nunca marca e de, finalmente se assumir como um verdadeiro membro da Assembleia, que não anda às ordens do Presidente da Junta.

Consulte aqui o novo horário do percurso Algés - Fac. Motricidade Humana

Consulte aqui o novo horário do percurso Fac. Motricidade Humana - Algés

sexta-feira, 2 de março de 2012

O lixo voltou!

Além de a manutenção e limpeza dos espaços ajardinados, na Av. das Forças Armadas, continuar a ser feita casualmente, voltámos a ter os sacos com o lixo proveniente dessas intervenções, esquecidos no passeio, neste caso há já 3 dias.

Será que a Junta de Freguesia de Nossa Senhora de Fátima, entidade responsável por este serviço, bem como a sua Presidente, ainda não perceberam que não devem nem podem deixar o lixo no meio dos passeios?

É este o exemplo de limpeza que dão à sua população?

É para isto que recebem milhares de euros da Câmara Municipal? Os espaços verdes necessitam de intervenções regulares e não como neste caso onde há um mês ou mais que não tinham qualquer tipo de limpeza ou intervenção. Aliás, só assim se justifica este enorme monte de lixo.

Isto para já não falarmos dos espaços que nesta zona continuam terra batida, apesar de o Executivo da Junta de Freguesia, ter reconhecido publicamente há um ano atrás, que esses também são espaços da sua responsabilidade, pelos quais recebem dinheiro da Câmara Municipal. Para onde vai esse dinheiro? Para ajudar os amigos que a Senhora Presidente contrata para a Junta? Ou para os gastos ilegais, conforme detectado e denunciado pela auditoria do Tribunal de Contas?

Até quando?
Fotos tiradas hoje de manhã

quinta-feira, 1 de março de 2012

Bastou chover um pouco

Bastou chover um pouco, para a Rua Diogo de Macedo, junto à Av. Álvaro Pais, ficar neste estado.

Sempre que chove, por pouco que seja, este é o resultado. As sarjetas estão tapadas há vários anos e parece que nem Câmara nem Junta de Freguesia vêm. E isto à porta de uma escola. Até quando.

Sábado Voto Lista B