sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Homenagem ao Regimento de Comandos

In povo Livre 30 Dezembro 1975
Clique na imagem para ampliar

36 anos depois, uma Homenagem que se mantém válida, pelo papel decisivo que tiveram, sob o comando do, na época, Major Jaime Neves (actual coronel) na consolidação da democracia e onde não podem ser esquecidos o Tenente Coimbra e o Furriel Pires, mortos às portas do Regimento de Lanceiros, na defesa dos valores democráticos contra a tentativa de implantação pela força de um regime radical de esquerda.

Obrigado Comandos!

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Acha que conhece o Orçamento do Estado para 2012?

Não deixe que pensem por si! Conheça o Orçamento de estado para 2012, na totalidade e não apenas aquilo que alguns querem que se saiba.


video

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Eu voto Lista B!


Eleições amanhã dia 19, das 16h às 23h, no Hotel Sana (Av. Fontes Pereira de Melo)


Conheça aqui, as listas candidatas à C. P. Distrital, C. Jurisdição Distrital e Mesa da Ass. Distrital

Conheça aqui a lista de Candidatos a Delegados à Assembleia Distrital, por Lisboa

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Tantos erros em tão pouco espaço

"Eleição de novo membro para a Assembleia de Freguesia" em Assembleia de Freguesia!!! E eu que julgava que os membros das Assembleias de Freguesia eram eleitos pelo povo em sufrágio universal. 

"Ponto único na agenda" ?? Agenda?? Ou será que, conforme a Lei, queriam dizer Ordem de Trabalhos?

E os membros da Junta de Freguesia, não "podem" assistir à Assembleia de Freguesia, como se lhes apetecesse. Nos termos da actual Lei, têm que assistir. Na anterior Lei é que ficava ao critério de cada membro do executivo, assistir ou não às Assembleias de Freguesias.

Em vez de notas supérfulas e ainda por cima erradas, não seria muito mais útil, até no sentido de apelar à participação popular, a colocação de uma nota sobre o carácter público das Assembleias de Freguesias e da possibilidade do público nelas poder intervir (em todas, sejam Ordinárias, sejam Extraordinárias). Ou será que a participação de público, poderá causar incómodos a alguns dos autarcas desta Freguesia, que já mostraram por várias vezes não saberem lidar com a Democracia e a participação popular?

E já agora o que é a coligação PP/CDS-PSD? Ou será que se pretende aludir à coligação Lisboa com Sentido, que englobava 4 partidos: PSD-CDS-MPT-PPM? E em vez de PP/CDS, não será CDS-PP?

Tantos lapsos em tão pouco espaço. Será mera distracção ou não fazem mesmo a mínima ideia do que estão a fazer. Ou será que a culpa de tantos erros é dos "cogumelos venenosos" a que a Senhora Presidente da Junta, ainda há bem pouco tempo se referia. Se calhar já estão a alastrar e já os há no interior da Junta de Freguesia!

sábado, 5 de novembro de 2011

PS utiliza Assembleia de Freguesia para jogos politicos


Na ordem de trabalhos para a Assembleia de Freguesia da Cruz Quebrada-Dafundo, ontem realizada, foi incluído a pedido do Partido Socialista um ponto na ordem de trabalhos com o tema “Situação dos transportes na área geográfica da freguesia”.

Quando se pensava que, finalmente, os membros do PS da Assembleia de Freguesia do Dafundo tinham alguma informação ou proposta sobre a questão dos transportes públicos e da mobilidade na Freguesia, eis que a Assembleia é confrontada com uma Moção de carácter meramente politico, onde nem por uma vez é referida a Freguesia. Mais, a referida moção foi apresentada em “papel  timbrado” da FAUL – Federação da Área Urbana de Lisboa do PS, como se de uma reunião interna do Partido Socialista se tratasse.

Por outro lado, estando-se numa Assembleia Extraordinária, apenas “podem ser objecto de deliberação os assuntos incluídos na ordem do dia”, pelo que a apresentação, aceitação pela mesa e posterior votação, viola de forma grosseira este preceito legal. Para além disso, a referida moção de cariz meramente político/partidário de nível nacional, tem como única finalidade atacar o actual governo, e apenas poderia ter sido apreciada e votada  numa Assembleia Ordinária, no período de antes da ordem do dia, período esse vocacionado para o “tratamento de assuntos gerais" (art 86 da LAL), e no qual “as intervenções são por tradição mais politizadas e onde os partidos representados vêem a oportunidade de mediatização das suas mensagens politicas”.

E era precisamente isto que o PS pretendia - fazer uma mera encenação politica, utilizando um expediente legal de forma claramente abusiva, mostrando que nada tem a apresentar à Assembleia e à população nesta matéria. Aliás, ao não ter sequer utilizado da palavra neste ponto, mesmo depois das críticas e objecções do PSD, mostrou que os membros do PS da Assembleia de Freguesia da Cruz Quebrada-Dafundo, são uma mera corrente de transmissão da estrutura política local do PS, sem a mínima capacidade de intervenção.

É bom não esquecer quem esteve no Governo nos últimos 6 anos. Não foi de certeza o PSD que conduziu o país ao estado em que se encontra hoje, obrigando o actual governo a tomar medidas, sem dúvida duras e que exigem um enorme esforço financeiro aos utentes, mas ainda assim indispensáveis.

E será que a não existência de uma autoridade metropolitana de transportes e a não articulação entre os diversos operadores, nomeadamente entre a Carris e o Metro, ou entre as diversas empresas que fazem a travessia do Tejo, são culpa do actual Governo, ou será que foi o PS, que nos últimos 6 anos que esteve no Governo, nada fez para alterar este estado de total descoordenação entre os diversos operadores da área metropolitana de Lisboa?

O actual governo, PSD-CDS tomou já diversas iniciativas, nos apenas 4 meses de vida, que visam alterar a actual situação, propondo nomeadamente a fusão de diversas empresas, no sentido de operacionalizar o funcionamento das mesmas.

Mas o PS, na sua demagogia e espectáculo politico, apresentou ainda no mesmo ponto da ordem de trabalhos, outra moção, onde deturpando a verdade, afirma que o Governo decidiu já acabar com a carreira 76 (Algés – Fac. Motricidade Humana), quando aquilo que existe mais não é do que uma proposta de um grupo de trabalho. Essa proposta está neste momento a ser discutida pelas diversas Câmaras Municipais envolvidas, que ao que se sabe, mostraram já forte oposição à proposta.

Nesta questão e para que não fique a mais pequena dúvida, os representantes do PSD na Assembleia de Freguesia da Cruz Quebrada-Dafundo, estão frontalmente contra a eliminação da carreira 76, uma vez que isso isso iria impossibilitar toda uma população, residente e estudantil, de se deslocar, uma vez que não existe nenhuma outra alternativa válida no referido percurso, pois a VIMECA, não só não cobre todo percurso como tem custos muito mais elevados para os utilizadores.

E nesta moção, pasme-se, o PS propôs ainda a criação de um grupo de trabalho ou comissão, para discutir e acompanhar este tema, esquecendo-se que por proposta do PSD, foi aprovado no dia 16 de Abril, pela Assembleia de Freguesia e com os votos favoráveis do PS, a constituição de uma Comissão que tem como finalidade a análise, discussão e apresentação de propostas sobre a temática da mobilidade na Freguesia, que infelizmente e por total incapacidade e desinteresse do Senhor Presidente da Mesa nunca foi convocada, algo que infelizmente não é caso único, pois são já várias as deliberações da Assembleia, que quer a mesa, quer o executivo, eleitos pelo Partido Socialista, não cumprem, desrespeitando, assim, a Assembleia de Freguesia.

É pois lamentável que quer os representantes do PS, quer os das outras forças politicas que votaram favoravelmente esta moção, não prestem a mínima atenção às deliberações e trabalhos da Assembleia de Freguesia, mostrando com propostas destas que aquilo que realmente pretendem é o mero jogo de interesse politico.

Nesta Assembleia, e apesar das insistentes chamadas de atenção do PSD desde o início do mandato, a Mesa da Assembleia e o seu Presidente mostraram mais uma vez e ao fim de 2 anos, não estarem à altura do lugar. Para espanto do PSD, e com uma finalidade que não podia ser outra do que afastar e impedir a participação da população na Assembleia, o Sr. Presidente da Assembleia fez constar da Convocatória, uma nota em que refere que “Sendo esta uma Assembleia Extraordinária, não será precedida do habitual período de intervenção do público...”, contrariando e mais uma vez violando a LAL no seu art. 84º/6, onde é expressamente afirmado que “Nas reuniões dos órgãos deliberativos há um período para intervenção do público”, não distinguindo essa participação das Assembleias ordinárias e Extraordinárias. E mais uma vez, teve que ser o PSD a chamar a atenção da mesa para mais esta irregularidade e permitir assim que o público presente pudesse ser ouvido. Enfim, práticas políticas com as quais o PSD nunca pactuará (mesmo quando algumas das intervenções sejam desfavoráveis ao trabalho do Governo ou do PSD), principalmente quando com elas se pretendem limitar a participação democrática da população!

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Ser mecânico

"O acto de conduzir tem de ser um exercício de respeito por nós e pelos outros"

Uma condução segura começa pela forma e atenção com que regularmente inspeccionamos alguns dos órgãos da nossa viatura. O cuidado a ter com o automóvel é certamente um tema do interesse de todos, pelo que este artigo da autoria do meu amigo José Marinho, publicado no número do 3º trimestre de 2001, da revista "Quem Sabe", é do maior interesse, dando-nos várias conselhos, para de uma forma rápida e simples, "desmitificar o bicho-de-sete-cabeças", que para muitos condutores ainda é um carro.

Clique na imagem para ampliar

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Motivo de força maior

"Os órgãos executivos colegiais realizam, pelo menos, uma reunião pública mensal" Art. 84º, nº 2, da lei nº 169/99 alterado pela Lei nº 5-A/2002.

Mas pelos vistos esta Lei (como muitas outras) não se aplica na Freguesia de Nossa Senhora de Fátima (Lisboa), onde o executivo da Junta de Freguesia e a sua Presidente, continuam a desprezar os moradores, os comerciantes, aqueles que trabalham na Freguesia e principalmente os seus eleitores.

Contrariando de forma grosseira o preceito legal atrás referido, mas nos termos da Lei (qual Lei???) e com o único propósito visível de impedir a participação popular nos destinos da Freguesia, pela segunda vez este ano, não se realizou a reunião pública mensal da Junta de Freguesia, prevista para a passada quinta-feira, dia 27 de Outubro.  O primeiro mês em que isso aconteceu foi em Agosto.

Segundo um comunicado afixado em algumas vitrinas da Junta de Freguesia, "por motivos de força maior", anunciados 4 dias antes e nos termos da Lei (sem especificar qual) a Senhora Presidente anunciou que não se realizava a reunião pública de Outubro.

Mas que motivo de força maior era esse, que surgiu a um sábado, 4 dias antes da data prevista da reunião? Com uma antecedência destas até parece que foi programado. Ou será que não foi mesmo?

E não seria normal, que no mesmo Edital fosse de imediato publicitada uma data alternativa? A única resposta possível é não! Não, porque a verdade é que a Senhora Presidente de Junta  pelos vistos tem medo de dialogar com a população e de encarar com verdade e frontalidade os muitos problemas desta Freguesia, que regularmente vêm aparecendo nos meios de comunicação social e que a Senhora Presidente tão teimosamente teima em ignorar, chegando actualmente ao ponto de esconder de todos, informações e documentos que a Câmara Municipal lhe entregou para serem divulgados pela população!!!